Renda passiva: como obter rendimentos a partir dos investimentos?

renda passiva

Uma forma de obter rendimentos é por meio da renda passiva, que é um jeito de fazer render seu próprio capital, financeiro ou físico, sem que seja exigida uma atividade ou ocupação que demandem um tempo significativo de trabalho a partir dos seus próprios investimentos. 

Basicamente, renda passiva nada mais é do que um rendimento, em juros compostos, que você adquire fazendo com que o dinheiro trabalhe para você. Basta apenas saber como investi-lo corretamente. Existem diversos ativos geradores de renda e a escolha deles dependerá do seu perfil de investidor. 

Portanto, a renda passiva é um patrimônio que você investiu acrescido dos juros obtidos durante o período de aplicação. Ou seja, é possível fazer seus recursos crescerem colocando os ativos para trabalhar para você. Ficou curioso? Continue a leitura que iremos te explicar melhor.

Fontes de renda passiva por investimentos 

Por meio dos investimentos é necessário aplicar recursos financeiros em investimentos do mercado financeiro para que, com o tempo, a renda passiva dessas aplicações aumente. Ou seja, para alcançar a tão sonhada independência financeira é necessário construir fontes de renda passiva de investimentos, sendo que para isso você precisa se tornar um investidor e, claro, investir seus recursos financeiros.

Confira as duas principais fontes de renda por investimentos!

 

  1. Dividendo de ações

 

Dividendos de ações de empresas com capital aberto na bolsa de valores é umas das mais conhecidas formas de obter renda passiva com investimentos. Basicamente, nesta forma de aplicação o investidor compra papéis de companhias na bolsa, tornando-se assim sócio das mesmas.

Como acionista, esse investidor ganha o direito de receber parte do lucro líquido da empresa de acordo com a quantidade de papéis que possui. Essa distribuição acontece por meio dos dividendos. 

As empresas pagam dividendos de acordo com a Lei das S/As, de 1976 (Lei número 6.404). Segundo a legislação, as empresas listadas na Bolsa de Valores que tiverem lucro devem distribuir uma porcentagem do montante entre os acionistas. Essa é uma forma de recompensar quem compra as ações da empresa e tornar esse tipo de investimento mais atrativo.

No entanto, ao contrário do que muita gente acredita, não existe um percentual mínimo obrigatório do lucro que deve ser dividido entre os investidores. Segundo o artigo 202 da Lei das S/As, é o estatuto social da companhia que indicará o percentual dos lucros que deve ser destinado ao dividendo obrigatório.

Por isso, é possível que uma empresa distribua apenas 1% do lucro líquido ajustado, desde que isso esteja no estatuto. Mas, caso a empresa não deixe essa porcentagem clara, ela é obrigada a pagar 50% do lucro líquido após ajustes. De toda forma, é comum as empresas brasileiras distribuírem 25% do lucro líquido ajustado entre os acionistas – um tipo de padrão adotado pelas companhias para tornar seus papéis mais atrativos.

 

  1. Rendimentos por fundos imobiliários

Outra forma interessante de garantir uma renda passiva nos investimentos é por meio dos rendimentos de Fundos Imobiliários, os chamados FIIs. Basicamente, como o próprio nome diz, eles são grandes fundos de investimentos que aplicam em imóveis geradores de renda de aluguel. Nesta categoria temos:

 

  • galpões logísticos;

 

  • shoppings;

 

  • hospitais;

 

  • lajes corporativas;

 

  • imóveis universitários;

 

  • propriedades rurais;

 

  • agências bancárias;

 

  • fundos de papel (fundos que investem em recebíveis imobiliários, ou seja, títulos de crédito do setor imobiliário como CRIs, LCIs etc.);

 

  • fundos de fundos (ou FOFs, que adquirem cotas de outros fundos imobiliários formatando carteiras de fundos imobiliários);

 

  • fundos híbridos (fundos que têm na composição de sua carteira de investimentos mais de uma classe de ativos imobiliários).

 

Detendo esses imóveis ou os outros tipos de fundos explicados, o investidor garante uma receita mensal. Assim, com esta renda os fundos pagam suas despesas administrativas e distribuem o resultado líquido para seus cotistas.

Dessa forma, mensalmente o cotista de um fundo imobiliário recebe sua renda passiva, a qual possui origem dos recebimentos dos aluguéis dos imóveis. No início, o ideal é utilizar esses proventos mensais para comprar mais cotas do fundo, de modo a conseguir aumentar cada vez mais o rendimento do período e chegar mais próximo de viver de renda de FIIs.

 

  1. Títulos de crédito privado

Títulos de crédito privado são emitidos por empresas e instituições privadas com o objetivo de captar recursos para financiar os seus projetos. Ou seja, estes títulos são um tipo de aplicação de renda fixa, em que o investidor empresta seu dinheiro para a empresa em troca de uma taxa de juros.

 

Tipos de títulos de crédito privado:

 

  • Debêntures – São títulos emitidos por empresas privadas com a intenção de investir em projetos de crescimento e desenvolvimento do negócio. A modalidade das debêntures incentivadas é especialmente vantajosa, pois são isentas da cobrança do Imposto de Renda (IR). Já que envolvem projetos de infraestrutura, o Governo incentiva este tipo de investimento e, desta forma, não cobra o imposto.

 

  • CRIs e CRAs – Os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) e os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) são títulos com promessa de pagamento futuro. Neste caso, o investidor pode escolher entre o recebimento do pagamento de maneira periódica ou no vencimento do título. Um detalhe importante é que estes certificados são emitidos por empresas securitizadoras e são uma boa alternativa para as que financiam projetos nos respectivos setores imobiliários e do agronegócio. A vantagem é que os CRIs e os CRAs também são isentos de IR.

 

Exponencial Investimentos

Enfim, ter uma fonte de renda passiva é o sonho de muitos investidores que pensam no longo prazo. Para isso, é importante buscar dicas e estratégias que ajudem a construir um patrimônio e permitam gerar renda no futuro.

Agora que você sabe que esse sonho é possível, que tal fazer isso de forma simples e prática? Saiba mais sobre a Exponencial Investimentos e veja como podemos ajudar você.

Somos um escritório de agentes autônomos de investimentos (assessores de investimentos) devidamente registrados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Nossos assessores são profissionais qualificados e preparados para atender às necessidades de investimentos tanto para pessoas físicas quanto jurídicas. Desse modo, seu patrimônio permanece protegido com qualidade e segurança.

Com a Exponencial você tem a orientação de especialistas e acesso a produtos de investimentos diferenciados que são utilizados de acordo com as suas necessidades.

Na hora de investir precisamos de um parceiro que entenda suas demandas e ofereça boas opções de produtos. Não há como investir sem a ajuda de uma assessoria de investimentos.

Encontre as melhores maneiras de conquistar seus objetivos d

e investimentos com a gente. Fale com um de nossos assessores neste LINK.

Aguardamos seu contato,

Até breve!

Compartilhe

Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Posts relacionados